Siga o canal do youtube do ogol.com.br
        1xBet
        Jogos marcantes
        Jogos marcantes

        19 expulsos, todo mundo preso e jogadores internados: a batalha mais sangrenta da Libertadores

        Texto por ogol.com.br
        l0
        E0

        O dia 17 de março de 1971 ficou marcado de forma negativa na história do futebol Sul-Americano. O duelo entre Boca Juniors e Sporting Cristal, na Bombonera, terminou com 19 expulsões, todos os jogadores presos e alguns até hospitalizados. 

        A noite daquele dia foi de lotação máxima na Bombonera. Afinal, os Xeneize lutavam por uma classificação para a semifinal da Copa Libertadores, e só se manteriam vivos no torneio em caso de vitória. Portanto, o jogo seria tenso e, pelo ambiente típico de Bombonera, seria uma verdadeira batalha. 

        A disputa, entretanto, fugiu totalmente da normalidade. Isso depois de muitos minutos de futebol... O duelo foi emocionante, com quatro gols, o último deles o do empate peruano, marcado por González Pajuelo. Com o resultado, os argentinos foram todos ao ataque. 

        Faltando poucos minutos para o fim, os  Xeneize contestaram uma suposta falta em Rogel não marcada pelo apitador, o uruguaio Alejandro Otero. O lance foi seguido por uma confusão incontrolável. Otero acabou expulsando 19 dos 22 atletas, com a exceção dos goleiros, Rubén Omar Sánchez e Rubiños, e de Meléndez. 

        "Vários jogadores discutiram e vi Suñe se aproximando de Gallardo, ameaçando o rival. Gallardo pediu pelo amor da Virgem que não o batesse, mas Suñe o bateu. O peruano respondeu com uma voadora e começou uma briga generalizada. Expulsei todos, menos Meléndez e os goleiros, apesar de, depois de ter visto a reprise, pude notar que Sánchez também participou dos incidentes", contou o árbitro anos mais tarde para a imprensa argentina. 

        "Quando a luta começou, eu me aproximei do bandeira e disse ao delegado da partida que ela estava suspensa pela expulsão de 19 jogadores. Depois, a polícia me obrigou a descer pelo túnel por motivos de segurança. Jogavam objetos queimados no campo e alguns torcedores tentavam invadir", relatou o apitador. 

        Depois de chegar no vestiário, Otero, o árbitro, foi confrontado pelo responsável da polícia local, que o prendeu como "principal responsável" por toda a confusão. Os jogadores das duas equipes também foram detidos e permaneceram na delegacia até o meio dia do dia seguinte. Três jogadores também passaram a madrugada hospitalizados na capital argentina: os peruanos Fernando Mellán e Eloy Campos e o argentino Rubén José Suñé, que também relatou a confusão anos mais tarde.

        "Lembro que eu estava completamente fora de mim e persegui o Gallardo como um louco. No desespero, ele deu um chute e as travas da chuteira acertaram a minha cara. Eu enlouqueci ainda mais. No meio desse tumulto todo, apareceu um sujeito que tentou ficar entre nós dois. Eu empurrei ele e o atirei no chão. Só depois, no vestiário, descobri que era o delegado da polícia", relatou o atleta. 

        Os jogadores foram punidos após a confusão pela Conmebol, que tirou pontos e afastou Boca e Sporting Cristal da competição por um ano. O Universitario foi o representante do grupo na fase seguinte (uma segunda fase que serviu como uma espécie de semifinal). O campeão daquela edição foi o Nacional, do Uruguai.

        Lista
        Comentários (0)
        Tenha em atenção as Regras de Conduta antes de escrever o seu comentário. Se não as conhece poderá ser uma boa oportunidade para o fazer aqui.
        motivo:
        EAinda não foram registrados comentários…