Siga o instagram do oGol
        1xBet
        Biografia
        Biografia Jogadores

        Schiaffino: o Mestre da Celeste que calou o Maracanã

        Texto por ogol.com.br
        l0
        E0

        O Uruguai calou mais de 200 mil pessoas no Maracanã em 1950, isso todo mundo sabe. Gigghia se tornou herói por ter vencido Barbosa, outro fato reconhecido mundialmente. Mas o que não é muito falado é que aquela seleção celeste tinha muita qualidade, muito dela devido ao mestre Juan Schiaffino. 

        Foi-se falado de um time uruguaio violento. Um time que acuou os brasileiros por jogadas duras. Um time que tinha a cabeça erguida, uma confiança em alta. Isso pode, sim, ter sido verdade. Valdir pode ter sido amedrontado por um golpe de um uruguaio. Mas a confiança celeste se dava porque o time tinha muita qualidade. E porque Schiaffino era um craque de mão cheia... 

        Início em Montevidéu

        Schiaffino nasceu na capital dos uruguaios, Montevidéu, em 25 de julho de 1925. O momento no Uruguai, e no mundo, não era dos mais fáceis. A humanidade tinha passado por uma guerra e logo entraria em outro conflito, dessa vez ainda mais longo. 

        Schiaffino, apelidado de Pepe, era descendente de italianos e tinha que trabalhar para ajudar a sustentar a família. Trabalhou no comércio e na indústria de Montevidéu. 

        O futebol conseguia tirar Pepe da dura realidade da cidade. Os jogos nas ruas logo foram levados a outro patamar quando começou a jogar no Peñarol, com 17 anos. 

        No final da década de 1940, o Peñarol formou um timaço que seria a base da seleção que jogaria a Copa de 1950, com Schiaffino, Roque Máspoli, Obdulio Varela, Alcides Ghiggia, Óscar Míguez e Ernesto Vidal. 

        O Maracanazo

        Schiaffino já era craque quando desembarcou no Brasil em 1950. Campeão uruguaio pelo Peñarol, já havia disputado seis amistosos contra o Brasil antes da Copa (duas vitórias, três derrotas e um empate). 

        A Celeste Olímpica tinha uma seleção fortíssima. O início de campanha foi com uma enorme goleada sobre a Bolívia, por 8 a 0, dois dos gols de Schiaffino. 

        O Uruguai, porém, empatou com a Espanha e suou para vencer a Suécia. Para ser campeão do mundo, precisaria vencer o Brasil, com mais de 200 mil pessoas no Maracanã. 

        O time entrou em campo motivado pelo clima de festa que rondava o Rio de Janeiro. O discurso era de que o Brasil já era o campeão, e os uruguaios entraram em campo para provar que não estava nada decidido. 

        Nem mesmo após o gol de Friaça. Schiaffino calou o Maracanã com o gol do empate, e Gigghia colocou o último prego no caixão brasileiro com a virada. A Celeste Olímpica era campeã do mundo de novo! Schiaffino ganhou o prêmio como melhor jogador do Mundial. 

        Nova Copa e ida para a Itália 

        Schiaffino seguiu mais quatro anos no Peñarol e voltou a ser figura importante para o Uruguai na campanha da Copa de 1954. Com sua técnica e visão de jogo, mas ao mesmo tempo o bom posicionamento em campo e capacidade de marcação, o jogador foi mais uma vez protagonista. 

        O Uruguai, entretanto, não conseguiu mais um título. Na semifinal, em um jogaço, para muitos "o jogo do século", os uruguaios acabaram eliminados pela Hungria, de Puskás. 

        Tetracampeão uruguaio, Schiaffino deixou o Peñarol depois da Copa e, em transferência recorde para a época, foi vestir as cores do Milan na Itália. 

        Schiaffino, mesmo com 30 anos, chegou para dominar o meio-campo rossonero e, logo em sua primeira temporada no futebol italiano, conquistou, com protagonismo, a Serie A. Foi o principal garçom do sueco Gunnar Nordahl.

        Apesar de ter perdido o título na temporada seguinte para a Fiorentina, do brasileiro Julinho Botelho, Schiaffino marcou 16 gols em 29 partidas. 

        O grande desempenho pelo Rossonero fez Schiaffino ser chamado também para jogar na seleção italiana, embora nunca tenha jogado uma Copa pelo país. 

        O único troféu que faltou na galeria foi da Liga dos Campeões, já que o Milan não conseguiu superar o Real Madrid, de Di Stéfano. Ainda assim, Schiaffino somou três títulos italianos e uma Taça das Cidades com Feiras em Milão antes de se transferir para a Roma, seu último clube. Deixou a Itália como o Deus do Calcio. 

        Depois de aposentado, ainda teve curtas experiências como treinador tanto no Uruguai quanto no Peñarol. Nos deixou em 13 de novembro de 2002 na sua Montevidéu. 

        D

        Fotografias(2)

        Juan Schiaffino
        Juan Schiaffino (URU)
        Lista
        Comentários (0)
        Tenha em atenção as Regras de Conduta antes de escrever o seu comentário. Se não as conhece poderá ser uma boa oportunidade para o fazer aqui.
        motivo:
        EAinda não foram registrados comentários…
        Links Relacionados