Siga o instagram do oGol
história
Biografia Jogadores

Franz Beckenbauer: o Kaiser

Texto por ogol.com.br
l0
E0
Franz Beckenbauer nasceu em meio ao caos de uma Munique arrasada pela Segunda Guerra Mundial. Cresceu em uma família trabalhadora, que tentava recolocar a cidade de pé, mas desde cedo se apaixonou pelo futebol. 

De início, jogou como atacante na base do SC Munique 06. Foi recuando aos poucos, passou a jogar no Bayern de Munique e terminou como líbero, posição que revolucionou. Escreveu uma das mais belas histórias do esporte. 

O início no Bayern 

Beckenbauer começou a jogar como profissional no Bayern de Munique em 1964. Até então, os bávaros haviam vencido apenas uma vez o Campeonato Alemão. A partir de então, a história do clube iria começar a mudar. 

Com Beckenbauer, o Bayern conquistou o acesso para a Bundesliga e, logo na primeira temporada, terminou em terceiro na tabela. A ascensão foi rápida, com a conquista da Copa da Alemanha logo no primeiro ano de elite. Na temporada seguinte, veio a Recopa da Europa e, ainda naquela década, Beckenbauer foi protagonista no primeiro título da Bundesliga dos bávaros. 

Junto com nomes como Sepp Maier e Gerd Müller, Beckenbauer ajudou a colocar o Bayern de Munique no mapa do futebol alemão. Logo, o clube alcançaria um novo patamar também na Europa. A conquista da Recopa foi apenas o início de uma nova era. 

A Copa artilheira 

Em 1966, Beckenbauer disputou sua primeira Copa do Mundo. Na Inglaterra, viveu um torneio atípico: marcou quatro dos cinco únicos gols que fez em competições oficiais pela seleção alemã. Logo na estreia foram dois, contra a Suíça. 

A Alemanha fez uma grande campanha na Inglaterra, e o "artilheiro" Beckenbauer voltou a marcar no mata-mata: um tento contra o Uruguai, nas quartas, e outro na difícil vitória sobre a União Soviética, por 2 a 1, na semifinal. 

A decisão foi histórica: um 4 a 2 incrível dos ingleses sobre os alemães, na prorrogação, que garantiu o primeiro, e até o momento único, título mundial do English Team

O capitão

Quatro anos depois, já como capitão da seleção, Beckenbauer voltou a uma Copa do Mundo, dessa vez no México. As coisas seguiam bem em Munique, e também na seleção. Três vitórias na fase de grupos levaram o time para as quartas de final. O rival? A Inglaterra. 

Os ingleses abriram 2 a 0 em 50 minutos, mas, com um golaço, Beckenbauer iniciou a reação alemã, que terminou em uma histórica virada por 3 a 2 na prorrogação. A final de 1966 estava vingada... 

A semifinal foi outro jogaço, que foi também para a prorrogação. Com a clavícula partida, Beckenbauer jogou no sacrifício e acabou não evitando a eliminação alemã com derrota por 4 a 3 para a Itália. Os italianos perderiam a final para o Brasil... 

O ápice

Mesmo já tendo jogado duas Copas do Mundo, Beckenbauer ainda estava aguardando o ápice. Nas temporadas seguintes, foi o motor da máquina chamada Bayern de Munique, que dominou não só a Alemanha, como também a Europa. 

Tricampeão alemão entre 1972 e 1974, o Bayern, e Beckenbauer, chegaram ao ápice. Depois de quase cair na primeira fase da Liga dos Campeões, contra o sueco Atvidabergs (a vaga veio só nos pênaltis), o time bávaro atropelou a tudo e a todos. 

O Dynamo Dresden ainda fez jogo duro na segunda fase (4 a 3 e 3 a 3), mas CSKA de Sofia e Újpest foram presas fáceis. Até que o time, de Sepp Maier, Beckenbauer, Paul Breitner e Gerd Müller encarou o Atlético de Madrid, de Luis Aragonés, na decisão. O empate em 1 a 1 em Bruxelas levou a um jogo desempate, que terminou em um inquestionável 4 a 0 para os bávaros. 

Assim, aquela geração de jogadores chegou em alta para a Copa do Mundo a ser jogada em uma Alemanha dividida. Até porque em 1972, os alemães venceram a Eurocopa com um 3 a 0 dominante diante da União Soviética, com atuação soberana do líbero. 

Naquela Copa, porém, a Alemanha foi avançando sem encantar muito, a antítese da Holanda, de Cruyff, que encantava o mundo. Os Deuses do Futebol reservaram exatamente uma final entre as duas seleções, na Munique de Beckenbauer. 

A cidade, já reconstruída e bem diferente do que o jogador viu quando pequeno, viu a Holanda sair na frente, mas, com a força de uma geração única, a Alemanha virou e festejou em Munique o ponto mais alto do futebol. Beckenbauer foi o responsável por erguer a taça. 

O ápice do líbero ainda durou alguns anos, quando o jogador, conhecido como Kaiser, voltou ao topo da Europa duas vezes com o Bayern de Munique, a grande potência da Europa na época. O clube, até então mero coadjuvante, virou um gigante. 

A parceria com Pelé

Campeão de tudo com o Bayern, inclusive de um Mundial de Clubes contra o Cruzeiro, de Dirceu Lopes e Palhinha, Beckenbauer optou por um final de carreira nos Estados Unidos. No New York Cosmos, se juntou a Pelé. 

A parceria de dois dos grandes jogadores da década de 1970 (e da história do futebol) só poderia terminar em título... O alemão foi três vezes campeão da North American Soccer League pelo clube de Nova York. 

Beckenbauer ainda tentou voltar a jogar na Alemanha, mas sofreu com as lesões em duas temporadas no Hamburgo. Em 1983, voltou aos Estados Unidos e fez sua última temporada defendendo o Cosmos antes de virar treinador. 

A carreira como técnico 

Beckenbauer voltou a Alemanha em 1984 para assumir a seleção nacional depois do fracasso na Euro daquele ano. Apesar de um início muito difícil, com cinco derrotas nos seis primeiros jogos, conseguiu boa campanha na Copa de 1986, onde acabou derrotado na decisão para a Argentina, de Maradona. 

O trabalho do treinador seguiu até a Copa de 1990, disputada na Itália. O treinador armou o time em torno de Matthaus, o camisa 10, e conseguiu campanha impecável, fora um empate contra a Colômbia ainda na fase de grupos. 

Beckenbauer teve de exorcizar fantasmas para ser campeão: bateu a Inglaterra na semifinal, e nos pênaltis, e voltou a encarar Maradona na final. Dessa vez, porém, um gol de pênalti de Andreas Brehme já perto do fim deu o título aos alemães, e Beckenbauer fez história ao ser campeão do mundo como jogador e como técnico. 

A despedida da seleção veio em um amistoso festivo contra Portugal ainda em 1990. Depois, Beckenbauer comandou o Olympique Marseille, sem sucesso, e voltou a Munique para comemorar seus últimos títulos no Bayern, dessa vez como técnico: uma Bundesliga e uma Liga Europa (antiga Copa Uefa). Depois, chegou a ser presidente dos bávaros e ajudou a Alemanha na organização da Copa do Mundo de 2006. 

Fotografias(3)

Alemanha Ocidental contra Alemanha de Leste no Mundial 1974
Lista
Comentários (0)
Tenha em atenção as Regras de Conduta antes de escrever o seu comentário. Se não as conhece poderá ser uma boa oportunidade para o fazer aqui.
motivo:
EAinda não foram registrados comentários…
Links Relacionados