Siga oGol no Twitter
        1xBet
        Times Históricos
        Esquadrões Históricos

        O Boca de Bianchi: 1998-2004

        Texto por ogol.com.br
        l0
        E0

        Sob o comando de Carlos Bianchi, e com a chamada "geração Riquelme", o Boca Juniors da virada do século foi um dos maiores times da história do futebol sul-americano, um verdadeiro esquadrão. 

        A equipe vivia a transição do período em que contou com nomes como Caniggia e Maradona para dar espaço a Riquelme, Pato Abbondanzieri, Rodolfo Arruabarrena, os irmãos Schelotto e Martín Palermo. 

        Presidido por Maurício Macri, que anos depois se tornaria o presidente da Argentina, o Boca contratou Bianchi em 1997. Na primeira temporada sob o novo comando, o time ficou apenas em sexto no Campeonato Argentino. Mas a revolução Bianchi começou. 

        O ano da virada

        O Boca vira, durante a década de 1990, o River Plate ganhar espaço na Argentina e na América do Sul, assim como fizera o Vélez com o próprio Bianchi. 

        O treinador, então, armou a equipe em um 4-3-1-2. O Boca tinha equilíbrio na defesa, criatividade no meio e os gols de Martín Palermo no setor ofensivo. 

        1998 foi o ano da virada. Foi o ano de Palerrmo. Goleador nato, Palermo ficou marcado por gols decisivos, inclusive nos dois clássicos contra o River Plate. Os Xeneize foram campeões do Apertura e do Clausura. Que venha a  América.... 

        Donos da América 

        Na temporada seguinte, o Boca expandiu seu domínio para o continente. Mas não sem passar pelo maior rival, o River Plate. O Superclássico das Américas colocou fogo naquela Libertadores de 2000. 

        Derrotado em Nuñez, por 2 a 1, o Boca de Bianchi mostrou ao River de Ramón Díaz quem seria o dono da América. Na Bombonera, venceu por 3 a 0, com gols de Delgado, Riquelme e Palermo, o artilheiro dos clássicos. 

        Depois de derrubar ainda o América do México, o Boca decidiu a Libertadores com o Palmeiras, de Felipão. O Palmeiras de Marcos, Roque Júnior, César Sampaio, Alex... 

        O 2 a 2 do jogo da Bombonera deu ânimo aos brasileiros, que escolheram o Morumbi como palco do jogo decisivo. Com uma partida impecável do colombiano Óscar Córdoba, o Boca segurou o 0 a 0 e levantou o título da Taça Libertadores na disputa por pênaltis. 

        O Boca soberano 

        Bianchi, Riquelme, Palermo e companhia conseguiram recolocar o Boca em evidência na Argentina, na América e no mundo. Ainda em 2000, o time foi a Tóquio e superou o poderoso Real Madrid, com dois gols de Palermo, para conquistar o Intercontinental. 

        Ano após ano, as conquistas do Boca mostraram que o time estava para ficar no topo do futebol sul-americano. Em 2001, o clube voltou a conquistar a Libertadores, dessa vez com vitória em cima do Cruz Azul, do México, e eliminando na semifinal o Palmeiras. 

        Um detalhe curioso é a força do time nos pênaltis. Tanto contra os brasileiros quanto diante dos mexicanos, os argentinos só avançaram rumo ao título nas penalidades.

        Mais uma vítima brasileira 

        Bianchi chegou a deixar a Bombonera em 2002, substituído por Óscar Tabárez. Mas o uruguaio não teve sucesso e Bianchi foi chamado de volta logo em seguida. 

        Em 2003, o Boca fez mais uma vítima brasileira na Libertadores. Aliás, não só uma: apesar do valente Paysandu ter vencido na Bombonera, com gol de Iarley, os Xeneize venceram no Mangueirão, por 4 a 2, para derrubar o Papão nas oitavas de final. 

        Nesta campanha, o Boca estava sem Riquelme e Palermo, mas com Carlitos Tevez. O novo craque do futebol argentino brilhou e o Boca decidiu o título contra o Santos. 

        O Peixe, de Diego e Robinho, acabou atropelado, com um agregado de 5 a 1 que acabou consumado com a derradeira vitória argentina no Morumbi

        Os últimos títulos 

        Ainda em 2003, o Boca, que fora campeão argentino, encerrou a era Bianchi com uma tríplice coroa pela conquista do Intercontinental diante do Milan. E novamente nos pênaltis, após 1 a 1 no tempo normal. Carrasco na Libertadores, Iarley foi para a Bombonera e foi titular na campanha. 

        A chamada Era Bianchi acabou em 2004. Ainda assim, o time foi vice-campeão argentino, da Libertadores e faturou a Copa Sul-Americana, título que voltaria a conquistar no ano seguinte com o retorno de Palermo, mas dando adeus a Tevez. 

        A Era Bianchi no Boca deixou legados. Tanto que o clube voltaria a conquistar a Libertadores em 2007, no retorno de Riquelme, e em cima de outro brasileiro, o Grêmio. Deixou ídolos, como os citados. E deixou, claro, muitas taças na Bombonera. 

        Comentários (0)
        Tenha em atenção as Regras de Conduta antes de escrever o seu comentário. Se não as conhece poderá ser uma boa oportunidade para o fazer aqui.
        motivo:
        EAinda não foram registrados comentários…