Siga oGol no facebook
        1xBet
        Times Históricos
        Esquadrões Históricos

        O Santos de Pelé: 1958-1969

        Texto por ogol.com.br
        l0
        E0

        Com o maior jogador de todos os tempos, o Santos dominou São Paulo, o Brasil, a América do Sul e o mundo. Conhecido como o Santos de Pelé, o time santista do final dos anos 1950 até o fim da década de 1960 foi um dos maiores esquadrões da história do futebol. 

        Tudo começou em 1958. Depois de ter perdido o título do Paulista de 1957 para o São Paulo, o Santos, que via surgir um menino chamado Pelé, faturou o Paulista de 58 de forma arrasadora. 

        A campanha santista foi absolutamente espetacular: o time venceu 29 jogos, empatou seis e perdeu três. Mais incrível ainda foi a quantidade de gols marcados: 143 ao longo da campanha. O ataque era formado por Dorval, Jair Rosa Pinto, Pagão, Pelé e Pepe.

        Teve goleada por 10 a 0 no Nacional, 9 a 1 no Comercial, 8 a 1 no Guarani e no Ypiranga, 7 a 1 no Juventus. A última e derradeira foi um 7 a 1 sobre o Guarani, com quatro gols de Pelé. O Rei, inclusive, terminou o campeonato com 58 gols, um recorde nunca batido. 

        Domínio supera fronteiras 

        O domínio daquele time santista superava fronteiras. Em 1959, o Peixe conquistou o Rio-São Paulo e chegou na final da Taça Brasil, perdendo para o Bahia no jogo desempate

        Outro capítulo importante foi escrito em 1960. O time, campeão paulista naquele ano com 100 gols na campanha e goleadas históricas sobre Corinthians e Palmeiras, faturou o Teresa Herrera, tradicional torneio disputado em solo espanhol, levando a melhor sobre o Botafogo, de Mané Garrincha.  

        A vingança 

        Campeão do Paulista de 1960, e com o caneco também no ano seguinte (mais uma vez com mais de 100 gols), o Peixe entrou na Taça Brasil de 1961 já na semifinal. Pobre do América do Rio. 

        A equipe da Campos Salles fizera grande campanha, eliminando equipes como Cruzeiro e Palmeiras. Mas, contra o Santos de Pelé... 

        A decisão do finalista ainda precisou de um terceiro jogo porque os cariocas, apesar de terem perdido por 6 a 2 fora de casa, venceram a volta por 1 a 0. Mas no terceiro jogo o Alvinegro Praiano enfiou 6 a 1, com show da dupla formada por Pelé e Coutinho. 

        Ambos voltaram a brilhar na grande decisão, que foi uma revanche contra o Bahia. Depois de empate em Salvador, o Peixe enfiou 5 a 1 em casa, com três de Pelé e dois de Coutinho. A dupla carregou o Santos ao primeiro título nacional do clube. 

        Soberania na América e no mundo

        O Santos virou uma verdadeira máquina que rompia cada vez mais barreiras. Em 1962, conquistou tudo que disputou: o Paulista, a Taça Brasil e, pela primeira vez, a Copa Libertadores. 

        No ano do bicampeonato da seleção brasileira, o Santos foi o primeiro brasileiro campeão continental. Líder em um grupo com Cerro Porteño, do Paraguai, e Municipal, da Bolívia, o Santos derrubou na semifinal a Universidad Católica. 

        Na decisão, teve pela frente o Peñarol, do artilheiro equatoriano Alberto Spencer. Uma vitória para cada lado e decisão no terceiro jogo. Em Buenos Aires, no jogo desempate, Pelé marcou duas vezes e o Peixe venceu por 3 a 0 para se sagrar campeão. 

        1963 foi ainda mais incrível para o Santos: venceu o Rio-São Paulo, conquistou mais uma Taça Brasil com um agregado de 8 a 0 em cima do Bahia na final e faturou outra Libertadores, dessa vez com a façanha de superar o Boca Juniors, em plena Bombonera. 

        A seleção que era o Peixe naquele momento superou as barreiras continentais. Em Lisboa, goleou o Benfica, de Eusébio, por 5 a 2, com três de Pelé, um de Pepe e outro de Coutinho, para conquistar o Mundial. 

        Na temporada seguinte o Peixe voltou a conquistar o mundo ao bater o Milan, de Altafini Mazzola, no Maracanã, e sem contar com Pelé. 

        Insuperável 

        O Santos, de Pelé, foi um dos maiores times da história do futebol porque era mais que um time com Pelé: era uma seleção que tinha a sorte de ter o Rei, mas também um Rei que tinha a sorte de ter uma seleção. 

        1964 foi o ano de outro título paulista, outro do Rio-São Paulo e mais um da Taça Brasil, dessa vez superando o Flamengo na final com um hat-trick de Pelé. 

        Só em 1966, pela primeira vez desde 1961, alguém conseguiu superar o Peixe na final da Taça Brasil (foi o Cruzeiro, de Tostão e Dirceu Lopes). 

        Em 1968, ano em que levou mais uma vez o Paulista, o Santos voltou a ser campeão nacional faturando a Roberto Gomes Pedrosa. 

        O último ano da Era Pelé foi 1969. Campeão paulista, o time conseguiu um feito ainda mais incrível em solo africano: o Santos parou a Guerra do Congo Belga. Um cessar-fogo foi decretado para que todos pudessem ver Pelé e companhia em campo. O fato voltaria a ser repetido na Nigéria. 

        Ainda em 1969, o Santos conquistou a Recopa Mundial sobre a Inter de Milão, em San Siro. Foi uma das últimas glórias daquela geração. 1970 foi o primeiro ano sem títulos em quase uma década. Pelé ainda seguiria por alguns anos na Vila Belmiro, mas já sem os títulos de outros tempos. 

         

        Comentários (0)
        Tenha em atenção as Regras de Conduta antes de escrever o seu comentário. Se não as conhece poderá ser uma boa oportunidade para o fazer aqui.
        motivo:
        EAinda não foram registrados comentários…
        Links Relacionados
        Jogador
        Equipe